Outubro, 2021

Seg04Out18:0019:30Evento finalizadoCanceladoCarta Aberta pelo Direito ao Lugar em DebateNúmero de Inscrições reduzido18:00 - 19:30 Terraço do GraalTemas:Bem-estar,Cidadania,ComunidadeTipo:Debate / Conversa

Descrição

O problema da privação do Direito ao Lugar continua a forçar pessoas a prescindir de viver em lugares com que se identificam, a que se sentem ligadas e a que sentem que pertencem. Por este motivo, 42 organizações da sociedade civil do Centro do País e da Grande Lisboa juntaram-se para elaborar uma Carta Aberta pelo Direito ao Lugar (que conta já com mais de 900 subscrições). Neste documento de posicionamento coletivo apontam-se algumas das causas deste problema, mas também potenciais soluções. Trata-se de um conjunto de medidas nas áreas da habitação, dos espaços públicos e da mobilidade (nos centros urbanos), que se referem à economia e emprego e aos serviços de interesse geral (nas zonas rurais) e cuja responsabilidade perpassa várias entidades: Governo ou Parlamento, autarquias, instâncias europeias e até órgãos de comunicação social.

A partir das questões levantadas na Carta Aberta pelo Direito ao Lugar, pretende-se promover um espaço de debate para todas as pessoas interessadas em aprofundar a reflexão sobre estes temas. O debate decorrerá de forma interativa, garantindo a participação e interação entre participantes, percorrendo-se assim diferentes áreas de medidas ransformadoras propostas na Carta Aberta pelo Direito ao Lugar.

A Carta Aberta pelo Direito ao Lugar continua aberta a subscrições de pessoas individuais e coletivas tendo sido elaborada no âmbito do projeto LigAções, promovido pelo consórcio Graal e FGS e financiado pelo programa EEAGrants Cidad@s Ativ@s, gerido pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela Fundação Bissaya Barreto.

Inscrição

Inscrições fechadas

Inscreve-te para poderes participar neste evento

Não consegues participar?Cancela a tua inscrição

Intervenientes

  • Eliana Madeira

    Eliana Madeira

    Eliana Madeira integra a equipa de projetos de intervenção social do Graal, um movimento internacional de mulheres que trouxe o Banco de Tempo para Portugal. Tem-se dedicado a projetos nas áreas de Igualdade de Género, Migrações, Direitos Humanos, Educação para a Cidadania Global e intervenção comunitária. É co-coordenadora da rede nacional do Banco de Tempo, integra a equipa promotora da Associação Ibero-Americana do Banco de Tempo e é membro do Banco de Tempo do Lumiar.”

    URL www.bancodetempo.net

  • Sandra Fernandes

    Sandra Fernandes

    Membro da equipa de Cidadania Global e Desenvolvimento da Fundação Gonçalo da Silveira (FGS) desde 2012, com experiência em ações e processos de aprendizagem em Educação para o Desenvolvimento/ Educação para a Cidadania Global /Educação transformadora, em contextos de educação formal e não formal. Desde 2019 que integra, pela FGS, a equipa que deu corpo e vida ao projeto LigAções que juntou 42 organizações na reflexão e ação em torno das assimetrias do território nacional e na construção da Carta Aberta pelo Direito ao Lugar.

Organizações promotoras

Graal

É movimento internacional de mulheres cristãs empenhadas na construção de uma cultura do cuidado. Nasceu na Holanda em 1921 e está ativo em 20 países. Chegou a Portugal em 1957 e, ao longo da sua história, tem desenvolvido iniciativas e projetos de natureza diversa que promovem a reflexão crítica e a mobilização para uma intervenção transformadora da realidade. Igualdade de direitos e oportunidades entre mulheres e homens, violência de género, economia solidária, educação para desenvolvimento são exemplos de áreas nas quais o Graal tem vindo a trabalhar nos últimos anos.

Fundação Gonçalo da Silveira

A Fundação Gonçalo da Silveira é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD) convicta de que o mundo precisa de transformação e de equilíbrio. Desenvolve projetos nas áreas da Cidadania Global, Desenvolvimento, Ecologia Integral e Direito à Educação de Qualidade. Colabora também em iniciativas de Emergência Humanitária através das suas redes internacionais. Trabalha com escolas e comunidades educativas, Organizações da Sociedade Civil, Instituições do Ensino Superior, comunidades locais e Instituições Governamentais.

Medidas de contingência

Uso obrigatório de máscara
Distancia física obrigatória
Indicações adicionais Estão em vigor as normas de contingência da DGS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

X
X
X